Gostou de algum texto? Quer copiar o texto inteiro ou parte dele? Clique e saiba como fazer!

Licença Creative Commons
A obra Vagabond of the Western World de Luciana Alves Bonfim foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em dontfearthereaper1981.blogspot.com.

Desejados!!!

sábado, 3 de maio de 2008

Sobre restaurantes e celulares...




Hoje, definitivamente, eu senti o poder, serventia, utilidade... e qualquer outro sentimento feliz que pode emanar de um simples aparelho de celular, ainda que não esteja mais "na modinha". Não que o celular não esteja na modinha... eu falava do modelo do aparelho, mesmo. Aliás, por falar em modinha... ô modinha difícil de seguir essa do celular. Quando você consegue AQUELE modelo que tanto queria, com uma câmerazinha marromeno e tals, o que acontece? Lançam AQUELE OUTRO modelo com um câmerazona, tocador de mp3, vídeo, flauta, guitarra, violoncelo e bateria. Ah sim, e faz ligações também.

Tá... esse post não é sobre eu estar babando nos modelos roxiiiiiiiiiiiinhos acima ilustrados. Pensa... tão... tão... feios... não atraentes... ridículos... uma cor de ex-tre-mo mau gosto... Imagina só... QUEM NESSA VIDA gosta de roxo? Enfim... passou, passou...

Esse post é, sim, pra lembrar você, cara usuário pobre de celular, que não há necessidade de ficar triste por nunca ter crédito e, consequentemente, nunca ser um ligador. Nós, recebedores, podemos erguer a cabeça orgulhosamente - mas não tanto, e dizer "Sim, eu utilizo meu celular de uma forma um tanto quanto satisfatória, sendo que numa escala de 0 a 10, o grau de utilização gira em torno de 2 - levando-se em conta que os outros 8 pontos são diretamente ligados ao fato de você precisar de crédito pra usá-lo! Mas uso os dois pontos da escala 100%!"

Ahn... essa parte estatística ficou complicada. Enfim. O que importa são as mil e uma utilidades do celular, ainda que sem crédito. Praticamente um Bombril. E olha que o Bombril nem faz ligações. Ainda. Segue abaixo, lista dos possíveis usos pra um celular sem crédito:

- Despertador (essa é clássica). Veja pelo lado bom... você pode acordar com uma musiquinha calma pela manhã, ao invés do trrrrrriiiiiiimmm do despertador. Vai depender diretamente do fato de você não habilitar o "Dança do Créu" como toque do seu despertador. Créééééu.

- Relógio. (clássica também). "Alguém tem horas aí?" e todo mundo enfia a mão no bolso pra olhar o celular.

- Agenda de anívers. Você é uma daquelas pessoas que vive esquecendo a virada de ânus, digo, ano, dos seus amigos? Vive pagando micos porque não acabou de encontrar o Fulano na rua, deu um tchau meio xoxo e, horas depois, fica sabendo que era seu respectivo dia de fazer anos? Seus problemas acabaram. Agora, você pode agendar o aníver dos amigos no celular! E totalmente "de grátis e sem custo nenhum", você ainda pode escolher que o celular te avise LOGO PELA MANHÃ, servindo ao mesmo tempo de agenda E despertador. Que "bom"!

- Lanterna. Ou "farolete"... ou "foques"... Afinal de contas, a gente nunca sabe quando vai faltar energia. Ou ter que procurar um brinco atrás da cômoda e debaixo da cama. o.O

- Câmera. Ah não... essa não conta. Se você não tem um cabo, não consegue passar as fotos para o PC. Se tem o cabo, ele não vai funcionar. Se tem créditos, vai gastar mandando as fotos pro e-mail e ficar sem. Ou seja, você sempre vai se foder.

- Personal disfarçeitor plus. E é aqui, caros pessoas que um dia... talvez... lerão essas linhas, é que se encaixa a minha descoberta de hoje. Sempre tem aquela hora em que você está sozinha em algum lugar cheio de pessoas estranhas (ou passíveis de te encherem o saco) e, de repente, você pensa: "E agora? O que eu faço pra não ter que dar oi para/ não ter que olhar para essa pessoa? Como eu faço pra fingir que essa pessoa não existe e é apenas produto da minha imaginação?" Agora eu tenho a solução, nunca antes usada por mim. Ao menor sinal de "o mundo está olhando pra mim e me avaliando, o que eu faço agora?", eu já sei o que fazer: é só puxar o celular e fingir que acabou de receber uma mensagem... ou então, fingir que está escrevendo uma mensagem... ou então, agendar para escrever um post sobre a divagação que você teve com celulares durante o seu almoço que foi, adivinha só, monótono e irritante.

[Nota mental: Panqueca salgada à vontade. Panqueca doce: um pra cada um.]

Burning for you (Iced Earth)

2 comentários:

Emmerson disse...

ashuashuashuashua

eu já fiz uso dessa técnica salvadora

saquei meu cellphone do bolso e sai como se tivessem me ligado

kkkkkkkkkkkkkkkk

ufa! o mundo não está perdido

Anti-herói disse...

Eu gostaria de trocar meu celular mas só porque acho ele feio demais. Breguinha.