Gostou de algum texto? Quer copiar o texto inteiro ou parte dele? Clique e saiba como fazer!

Licença Creative Commons
A obra Vagabond of the Western World de Luciana Alves Bonfim foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em dontfearthereaper1981.blogspot.com.

Desejados!!!

sábado, 8 de novembro de 2008

Um post de auto-análise... Ou não.

Se você me perguntasse há uns cinco anos atrás se eu gostava ou não do meu trabalho, eu diria um sonoro NÃO e ainda te pediria o favor de me jogar da ponte. Não sei explicar o que eu sentia, se era cansaço, mas a maior parte das pessoas estuda e trabalha e estão aí vivas. Porque eu não conseguia? Sei lá eu. Só sei que eu acordava querendo chorar e ia dormir querendo nunca mais acordar. Uma das hipóteses é que eu não tinha tanta confiança no meu taco, não tinha tanta segurança no que eu estava fazendo.

Hoje em dia, caso você me pergunte se eu gosto do meu trabalho, o que você vai ouvir é um sonoro e empolgado SIM. Tá, tá tá. Eu reclamo um monte, resmungo pra caramba, tem toneladas de coisas pra corrigir, 493853905834570398³³³ aulas pra preparar... Mas eu AMO o que eu faço. Ser professora devia estar no meu destino mesmo. Ou no meu sangue. Vai ver é profissão de geminiano mesmo. Professor fica lá falando e falando e conversando. Tudo a ver.

Aliás, o que eu mais gosto na minha profissão é a parte de conversar com as pessoas. De ouvir opiniões, discutir opiniões. Mesmo quando não tem nada a ver com a matéria ou a aula. Discutir as eleições americanas, a maneira de votar. Tentar entrever a cultura que está por detrás desses rituais e perceber a diferença da nossa realidade brasileira. Contar piadas e ver o pessoal rir de tão ruim que a piada foi... Parar para o coffee break e conversar sobre política, Marx, Capitalismo sem o estresse de ter que defender uma opinião de maneira alienada. Ou então gastar meia hora da aula no colégio ouvindo o que os alunos tem a dizer ou pensam a respeito das coisas do mundo, das eleições norte-americanas, do sistema de votação, da política Bush... Ou então esclarecer dúvidas que eles tinham/têm sobre N assuntos que não tem nada a ver com o fato de um adjetivo ser curto ou longo no Comparativo de Superioridade.

E tem o fato de eu me sentir muito mais segura agora do que cinco anos atrás. Olho pro meu começo e lembro que eu queria ser como a Elo e a Janete. E o bom é que nunca teve sentimento de inveja e competição entre a gente. Elas sempre me ensinaram e é dessa maneira que eu tento ensinar as pessoas novas que eu vou conhecendo por lá. Quando penso nisso e vejo que alcancei o que eu queria, é um dos momentos em que eu mais fico feliz. Ainda tem muito que aprender, certeza. E eu quero sempre mais. É por isso que lá vou eu prestar mais um Vestibular nessa vida bandida. Letras que me aguarde.

Me dá nojo de pessoas que se esquecem que um dia também começaram. No trabalho, no colégio, na facul, no chat... Eu não sou a pessoa que mais trata melhor novatos no chat, mas é mais por diversão do que realmente por achar que novatos não mereçam respeito e voz ativa. É interessante ver que quem um dia começou e precisou de ajuda se nega a ajudar quem está começando e se nega também a aprender com quem está chegando e tem mais experiência. Pra que frequentar palestras e mais palestras de motivação, então? Vai ajudar pra que? A gente ouve o tempo inteiro que somos um time, mas ainda assim tem gente que insiste em achar que já sabe de tudo ou que não precisa da ajuda de ninguém. Povo que tem medo do novo, de mudança. Coisa de gente que não se garante.

Falo aqui num modo geral. Coisas que a gente observa acontecer na nossa vida, trabalho, rua... e que me deixam puta da cara. Ainda bem que no meu círculo familiar, de amigos e de colegas de trabalho eu não tenho que conviver com gente desse naipe. Por que se tivessem, e me conhecendo como alguns já me conhecem, neguinho ia baixar a bola rapidinho comigo.

Não era bem sobre isso que seria o post, mas foi... Saiu assim.
Beijo pra quem eu amo.
S2

Um comentário:

Emerson disse...

então lu, meus flogs são o do flogbrasil e tbm o do flogao

conforme vc comentou sobre nós os geminianos, eu sempre to fora da regra, ou quero estar, mas enfim vai ver é porque eu nasci em maio.

e sobre faculdade e trabalho, meldelz, eu odeio fazer os dois ao mesmo tbm, não certo não, queria mesmo é estudar de manhã e ir pra gandaia a noite, como qq batateiro faz