Gostou de algum texto? Quer copiar o texto inteiro ou parte dele? Clique e saiba como fazer!

Licença Creative Commons
A obra Vagabond of the Western World de Luciana Alves Bonfim foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em dontfearthereaper1981.blogspot.com.

Desejados!!!

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Céu e Inferno.

Se você já sentiu na pele o significado da expressão "Do céu ao inferno em apenas alguns minutos", então você sabe exatamente o lixo humano encarnado que eu me sinto neste momento de enorme infortúnio na minha vida. Funereamente falando, QUE INFORTÚNIO!


Da dúvida da realização do show ou não... A confirmação do show. A espera pra chegar o dia da pré-venda (com hífen?) e a curiosidade pra saber o preço do ingresso. A euforia de ver que, ao invés de quinhentão, o show custaria custeáveis R$ 170,00. E então, a angústia e desespero de não saber se vai ou não conseguir comprar o ingresso por causa da porra do cartão de crédito e do limite idiota que eu usei todo com assinaturas de revistas que ficariam pra outra encarnação se necessário - caso eu soubesse do show uma... UMA semana e meia antes do dia de hoje



Sabe o que é ir da dúvida à certeza e depois de volta pra dúvida em questão de horas? Frustrante... angustiante... odiante. Desesperador. De chorar, mesmo. Chorar de fazer as lágrimas pularem centímetros á sua frente. E ninguém perto de você entende o quão importante isso é. "Ah, ok, o show do... como é mesmo??? KISS, né? Ah... que pena que talvez não dê certo dessa vez". Não é assim que eles falam, mas é assim que eu sinto que eles pensam. É tão importante, mas tão importante... que eu sinto que eu poderia morrer depois disso, mas morreria feliz. Sem a mediocridade do chavão, please. Eu sinto que poderia morrer, porque faz tanto sentido... porque eu preciso tanto... porque talvez seja a maior coisa que eu talvez jamais faça pro resto da vida.


Quando tudo está perdido
Sempre existe um caminho
Quando tudo está perdido
Sempre existe uma luz...

Mas não me diga isso...

Hoje a tristeza não é passageira
Hoje fiquei com febre a tarde inteira
E quando chegar a noite
Cada estrela parecerá uma lágrima...

Queria ser como os outros
E rir das desgraças da vida
Ou fingir estar sempre bem
Ver a leveza das coisas com humor...

Mas não me diga isso...

É só hoje e isso passa
me deixe aqui quieto, isso passa
Amanhã é um outro dia, não é?...

Eu nem sei porque me sinto assim
Vem de repente um anjo triste perto de mim...

E essa febre que não passa
E meu sorriso sem graça

(parte da música omitida por ser considerada extremamente OH, OLHE COMO EU SOFRO pela autora do blog)

Quando tudo está perdido
Sempre existe uma luz
Quando tudo está perdido
Sempre existe um caminho...

Quando tudo está perdido
Eu me sinto tão sozinho
Quando tudo está perdido
Não quero mais ser quem eu sou...

(parte omitida de novo)


Como eu posso falar mal de um cara que cantou a tristeza de um jeito tão perfeito e... triste? Retiro tudo que eu disse sobre o RR. Essa tristeza, essa coisa ruim, essa solidão que parece que nunca vai acabar... tem que ser cantada mesmo. E daí se a letra não é um exemplo de intelectualidade política engajada? É um engajamento político com quem também sente a dor, então dane-se. Faz um sentido enorme pra alguém que ouve, como faz pra mim agora... então dane-se².


Da alegria até a tristeza profunda. Da euforia até a angustiante decepção/incerteza. Ambos na mesma semana. Ambos intensos. Ambos platônicos, longínquos. Praticamente impossíveis. E eu aqui, ouvindo Roupa Nova, que é pra acabar de ferrar com tudo. Eu tô no fim de carrerira, que que é isso...


Pra terminar, Lost é foda. Quando você pensa "Ah, agora sim... daqui pra frente só vão explicar a teoria, porque não tem mais como ter segredos..." - você bebe pelo ânus. Por que lá no final daquele episódio que você achava que não ia prestar pra nada, só pra encher linguiça e espichar a série, vem aquela declaração bombástica. Bombástica mas, justiça seja feita, dita da maneira mais displiscente... mais normal do mundo.... como se não fosse nada de mais. Daí, você fica ali sem saber se junta o queixo do chão, ou xinga, ou reza pra quinta-feira que vem chegar rapidinho... Lost ainda é foda.


A próxima é sobre chuva, né Van?
Domingo foi foda. Sugiro mais saídas de carango.

Um comentário:

Van disse...

Mas não me diga isso... às vezes é só o que quero dizer.