Gostou de algum texto? Quer copiar o texto inteiro ou parte dele? Clique e saiba como fazer!

Licença Creative Commons
A obra Vagabond of the Western World de Luciana Alves Bonfim foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em dontfearthereaper1981.blogspot.com.

Desejados!!!

quinta-feira, 9 de abril de 2009

I wanted the best, I got the best!

O que dizer? Como começar? Comofás pra traduzir a loucura que foram essas 24 horas de viagem/espera em palavras? Não tem como, mas eu vou tentar. Juro que vou...

Tenho tanta coisa pra falar, tanta coisa pra contar, pra comentar, pra ironizar. Mas acho que todos os meus 3 leitores queridos querem saber sobre AQUELE momento. O Emmer está na praia em Espírito Sant... digo, no CONECADES... estudando e adquirindo conhecimentos contabilísticos... a Van e a Taís eu vou ver logo logo e contar pessoalmente. Mas mesmo assim, sinto necessidade de escrever sobre AQUELE momento. Não quero esquecer nada... nenhum detalhe, nenhum momento, nenhum segundo....

Pré-show:
Nem conseguimos jantar. Tinha uma coisa estranha no estômago que não deixava. Eu diria que eram borboletas, mas a Van broxaria comigo kkkkk. Pra não ficar sem nome, acho que a coisa estranha era uma mistura de medo com ansiedade. Sabe aquela hora que você sempre KISS que chegasse... e quando chega, você quer sair correndo pro lado oposto? Do hotel até o Anhembi eu não lembro muita coisa. Era pertinho, mas passaram séculos até a gente chegar e descer na frente do portão 28. Não era mais no portão 28, era no 30. E eu não entendia porque tinha uma galera andando em direção oposta.... Depois eu fui sacar que era a galera que estava ali, mas não ia entrar por falta de grana/ingresso. Por isso que eu acreditei e quase morri quando o segurança brincou com a gente dizendo que teríamos que dar a volta no Anhembi, pra depois sorrir e dizer que era só seguir até o portão 30. Sem fila, sem encheção de saco, sem nada. Totalmente organizado. Cara... sem noção a sensação de ir chegando, ver as catracas, o povo lá dentro, o palco montado....

Sem noção perceber que você vai ficar muito mais perto do palco do que imaginava. Acho que devia ter uns 100 metros de pista vip, e nós estávamos a uns 50 metros da "house de som". Chutando mal chutado, eu fiquei a 150 metros do Paul e do Gene - e não tenho palavras pra descrever o quanto isso foi emocionante e importante pra mim, e com certeza pro Fer também.

Enquanto esperávamos, ficamos por lá, perto da barraca de bebidas, da barraca de imprensa - não, não vi ninguém "importante". Pra falar a verdade, quando passamos pelas catracas, a moça disse pro meu irmão: "Quer ver a Sabrina Sato? Ela tá lá, ó"... Pffffffffffffff, que Sabrina Sato, minha filha... eu queria era ver o KISS, tá me estranhando? Quero mais é que a Sabrina Sato exploda em purpurina rosa!

O show de abertura:
Nem eu nem o Fer sabíamos quem abriria o show do KISS. Por um momento eu achei que o tiozinho da minha frente tinha dito "Dr. Sin!", mas eu não KISS acreditar muito não. Quando o Fer voltou do banheiro, depois de 10 minutos, chegou dizendo que tinha ouvido rumores na fila sobre o Dr. Sin abrir o show do KISS. Passei o óleo de peroba na cara, cutuquei o tiozinho na minha frente e perguntei quem ia abrir o show...

Quem? Quem? Quem? Nem um minuto depois que o cara deu a resposta, enquanto eu e o Fer ainda nos olhávamos sem acreditar, o Edu, o Andria e o Ivan começaram a estraçalhar lá no palco. É muito necessário e importante pra vocês contar a minha reação? Sim? Não? Ah, dane-se... vou contar... Foi tipo...

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHH
HHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH
HHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH
HHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH ! ! !

Não consigo lembrar da primeira música, mas foda-se... nem tenho como lembrar, de tão desnorteada que eu fiquei com a surpresa da banda de abertura. Eu sei que tocaram Emotional Catastrophe, Fire, Miracles, Drowning in sin e terminaram com Futebol, Mulher e Rock and Roll. O povo tava meio frio, embora todo mundo se empolgou com a última música. O Fer achou - e depois confirmamos com o taxista que nos levou pro Shopping D - que era porque os paulistas estavam acostumados com os caras tocando a torto e a direito em Sampa. Mas foda-se.... pra mim, tudo podia ter terminado ali, e eu iria embora sem reclamar. Morri de orgulho do Dr. Sin ter sido a banda que abriu o - talvez último (tomara que não)- show do KISS em Sampa.

O KISS
Me desculpem, eu não sou capaz de transpor em palavras. Só posso tentar narrar... Quando aquela cortina com KISS escrito em prata caiu, eu quase caí junto. Daí ela subiu e eu vi, cara... eu vi aquele letreiro dourado piscando KISS. Aquele mesmo letreiro dos shows lendários, dos clipes, dos filmes... eu viiiiiii....

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHH
HHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH !

Então, eles tocaram Deuce... e foi uma porrada atrás da outra... Hotter than Hell, She, C´mon and love, I love it loud, Let me go rock and roll, Black Diamond, Cold Gin, Lick it up, Rock and Roll All Night, I was made for loving you, Love Gun, Detroit Rock City... porra.. nem lembro mais do que... eu aproveitava as que eu não conhecia pra sentar no chão e descansar a perna.

E o Paul perguntava:
"Hey, São Paulo, are you having a good time? Do you feel fine? Are you ready?"

E eu e a galera respondíamos:
"Yeaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaahhhh!!!!"

Aí ele provocava:
"Do you wanna go home now?"

E eu e a galera gritávamos:
"Noooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo!!!!!!"

E quando o Gene foi cuspir fogo, o Fer me pegou no colo (coitado, nem comento meu peso) e eu vi, cara... eu VIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII o Gene cuspir fogo, porra!!!! E o Paul mostrou a língua com a palheta, e cuspiu. E eu viiiiiiiiiiiiiiiiiii... o Gene cuspiu sangue e eu gritava "vaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaai, vaaaaaaaaaaaaaaaaaaaai, saaaaaaaaaaaaaaaaaaaangra!" kkkkkkkk. E o Paul quebrou a guitarra e eu gritava "queeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeebra, quebra essa guitaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaarrra!" E depois do solo de baixo do Gene, ele "voou" até o teto do palco e tocou uma música que eu não consigo nem lembrar, de tanto que quase morri naquela hora. E o Paul virou de costas e o telão focou nele se auto-agarrando... o que foi que eu gritei? Vocês sabem o que eu gritei XD. E depois eles voltaram com a bandeira do Brasil... e fizeram um BIS gigante...

E então o Paul disse:
"My heart is with you, guys, I really wanna be there with you... If you scream, I´m gonna come out!" E a gente gritou. E ele disse pra gente gritar mais uma e uma terceira vez. E a gente gritou.

E ele veio, porra.... por cima da área vip até a "house de som" e tocou uma música inteira lá. Só faltou dar aquela olhadinha pro pessoal pobre atrás da área vip. Fiquei puta da cara com essa falta de consideração, mas o que importa é que ele estava ali, a 50 metros da minha mão.

E veio Love Gun e depois Detroit Rock City... Eu não sei mais como eu conseguia pular. Nem conseguir andar hoje eu tô conseguindo, maldito coturno! Só sei que eu pulava, era mais forte que eu. E, quando o show acabou, não deu vontade de embora, mas a gente precisava: dois caipiras do interior do Paraná não podiam ficar esperando o povo ir embora pra ficar sozinho na avenida em frente ao Anhembi tentando pegar táxi em São Paulo.


E o que aconteceu depois é história... E tem tanta coisa que aconteceu durante que vai ficar na memória... E véio... deixa eu falar uma coisa pra você... que delícia ficar lembrando dos detalhes... das explosões, do fogo, dos papéis picados, dos fogos de artifício no final do show... Queria tudo isso pra sempre... Rock and roll all night and party every day!


Foooooooooooooooooooooda foda foda foda foda foda!!!! Porra... eu trabalhei dez anos da minha vida medíocre e sem sentido pra esse ano chegar e eu ficar sabendo que eles vinham. Todo mundo dizendo que não vinha, que era balela. Mundos de gente sem entender o quão importante isso era pra mim. Mundos de gente achando um absurdo gastar tanto dinheiro assim. Então, eu só tenho poucas linhas pra esse tipo de gente:

A força de trabalho é minha, quem paga as minhas contas sou eu, e eu não me contento com o tipo de vida medíocre e nojenta que a maioria de vocês leva, fingindo ser feliz, fingindo ter um namorado ou namorada ou casamento perfeitos, fingindo que ter filhos é a maior felicidade na vida de uma pessoa. Continuem sendo felizes assim, e deixem ingressos sobrando pra mim, bando de hipócritas pau-no-cu!!!!!

EU
VI
O
KISSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS ! ! !

3 comentários:

Anônimo disse...

Você merece o melhor.

Anônimo disse...

O comentário foi meu.

=***********

Van disse...

Da Van =P