Gostou de algum texto? Quer copiar o texto inteiro ou parte dele? Clique e saiba como fazer!

Licença Creative Commons
A obra Vagabond of the Western World de Luciana Alves Bonfim foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em dontfearthereaper1981.blogspot.com.

Desejados!!!

segunda-feira, 1 de junho de 2009

...

Ah, gente...

Fico tão triste quando ouço falar em acidente de avião. Sinto como se alguém conhecido estivesse envolvido. Não sei porque esse tipo de tragédia me deixa tão abalada. Ao saber da notícia hoje de manhã, meu dia simplesmente acabou. Tentei entender porque isso me afeta tanto, já que eu nunca perdi conhecidos dessa maneira. Também nunca viajei de avião.

Não que eu tenha medo. Pelo contrário, quero muito um dia desses saber a sensação de "voar".

Cheguei a conclusão de que esse tipo de tragédia mexe tanto comigo por várias, e não apenas uma, razões. Não sei se vou falar besteira aqui e deprimir ou ofender alguém... Algumas pessoas tem traumas profundos sobre certos assuntos. Mas me corta o coração pensar que (1) as pessoas no avião sabem que não tem como escapar do que está por acontecer, (2) na dor dos familiares, sem saber notícias, imaginando a situação nº 1, (3) a situação em que as pessoas são encontradas - quando são e (4) é muita gente de uma vez só.

O acidente com os Mamonas Assassinas foi uma coisa que me impressionou demais na adolescência. Lembro até hoje daqueles corpos estendidos na rua, com o acidente do Fokker 100 da TAM. Penso nas pessoas que estavam esperando seus parentes e viram o avião da TAM passar direto pela pista e explodir no outro lado da rodovia em São Paulo. Detesto saber que o avião da GOL caiu em parafuso no meio da Amazônia. Penso no desespero das pessoas que estavam naqueles aviões do 11 de setembro, sabendo que não tinha saída, não tinha volta - cês assistiram os filmes? Detesto ouvir a gravação das caixas-pretas na hora do jornal. É de cortar o coração, simplesmente detesto e, ás vezes, não consigo tampar os ouvidos ou sair da sala a tempo de evitar ouvir.

Acho que entender isso faz me sentir um pouco melhor em relação a esse tipo de coisa. Não que eu sofra menos, sabe? Mas faz parecer que outras tragédias são menos piores, se é que podemos falar assim.

Perder alguém é sempre doloroso, seja a forma que for. Mas quando você compara um processo ao outro, você vê que você não é a pessoa que mais sofreu com a perda de alguém querido. O meu pai, por exemplo. Foi de repente? Foi. Estávamos preparados? Meio que sim, meio que não. Em um dia achávamos que seria apenas um internamento e no outro soubemos que não tinha mais volta e que tudo podia acabar dentro de dias, semanas ou meses - acabou em poucas horas. Mas tem algumas coisas que confortam a gente, como o fato de saber que ele não sofreu, nem ficou vegetando por dias, semanas, meses. Foi melhor para ele, foi melhor para nós. E não venham achar que isso é frieza da minha parte. É desprendimento, é amor. Eu seria egoísta se tivesse preferido que ele ficasse mais tempo comigo, sofrendo, vegetando...

Enfim... não conheço ninguém envolvido em nenhum destes acidentes, mas sou o tipo de pessoa que sofre junto. Isso me faz mal, sem dúvida. Eu não deveria deixar isso me afetar, eu sei. Mas o que eu posso fazer? Só posso dizer que o tempo alivia um pouco a dor e o sofrimento. Um pouco.

=/

6 comentários:

Bonitas e bacanas disse...

Eu não me afeto tanto. Claro que acho horrível, principalmente porque aqui a gente está usando a cobrir tudo que tá saindo do avião, mas eu me afeto mais com a dor individual.

Com a pessoal/animal que morre/sofre sozinho, sem amparo, sem comoção nacional.

Agora, a demora nas informações está dando agonia já. Cadê a lista dos passageiros???????

Van disse...

É legal tentar entender por que isso te afeta minha queriDA.
Sinto muito...

Daniel disse...

É realmente uma situação muito ruim... mas acontece, e sempre vai acontecer, toda máquina é passível de falhas, além do mais controlada por humanos, que erram sempre também.
Mas certamente deve ser uma maneira horrível de se perder a vida.

Bonitas e bacanas disse...

Eu gosto da emoçaõ da surpresa do catálogo haha
Mentira. Eu não sei pq, mas eu continuo insistindo...
Bjs

Cris Pironi disse...

Lu. vou postar amanhã com todos os preços!

Eu amo o Pocket, até pensei em trazer uns 2 ou 3 pra vender, mas deu medo de encalhar, sei lá!

Super bj!!!

Cris Pironi disse...

Podexá, Lu!!!

Tá quase pronta!

Se eu perceber interesse mesmo, talvez vá esta semana mesmo!

Bjssssssss.