Gostou de algum texto? Quer copiar o texto inteiro ou parte dele? Clique e saiba como fazer!

Licença Creative Commons
A obra Vagabond of the Western World de Luciana Alves Bonfim foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em dontfearthereaper1981.blogspot.com.

Desejados!!!

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Ê lei de Murphy.

Quando é pra dar errado, tem que dar errado com força. Se não for assim, não tem graça.

Ontem tinha a Primeira Audição do Estúdio Sonora, onde meu irmão trabalha como produtor, músico de estúdio e instrutor de guitarra. Fomos de carro, eu dirigindo. Fiquei orgulhosa de mim mesma, porque lembrei de desligar a luz dos faróis. Desta maneira, eu estava certa de evitar o mico de ficar sem bateria e não conseguir voltar pra casa.

Só para constar, a audição foi um sucesso e eu, pra variar, morri de orgulho do Fer. Mas a audição não é o assunto principal deste post, e sim como a lei de Murphy  me persegue.

Depois de terminada a audição, hora de ir embora. 20 metros depois e ter dado a partida no carro, já senti o carro começar a "afogar". Eu sabia que a gasolina estava no osso, mas PUTA QUE PARIU... minha mãe usou o carro de manhã, de tarde e meu irmão ainda usou o carro de tarde também. Ninguém lembrou de abastecer. Quando é a minha moto, eu não deixo chegar no nível de gasolina reserva. Mas ninguém... nem eu, nem a mãe e nem o Fer lembraram que tinha que abastecer o carro.

Pois bem... o carro funcionou legal até a casa da Van. Eu estava muito tranquila, porque há um posto a 300 metros de distância da casa da Van. Mas aí, a lei de Murphy começou a me zoar... acompanhem...

* Eu disse que o posto ficava a 300 metro da casa da Van. Isso se você pegasse um atalho pela rua de trás do posto. Chegando no tal "atalho", o que aconteceu? Estava fechado. Dei a ré e tive que fazer uma volta enorme de quase 600 metros.

* Chegando na frente do dito cujo do posto de gasolina, o que aconteceu? Estava fechado. Um posto de gasolina na entrada da cidade e FECHADO. Pensei... "tsc, quer saber... vamos pra casa. Chegando lá, o Fer pega a Bizz e vem buscar um galão de gasolina.". E segui em frente.

* O sinal estava fechado. E eu lá com o carro quase afogando.

* O sinal abriu, o carro andou duzentos metros e depois morreu. Eu mal tive tempo de estacionar.

* OK, vamos ligar para o Fernando trazer gasolina. Onde estava o meu celular? Onde estava o celular da mãe? Em casa. Tive que bater na porta da casa de uma aluna minha, soooorte que ela é muito querida e me emprestou o telefone.

* Liguei pro celular do Fernando. Ele atendeu? Não. Eu não sabia o celular da minha cunhada. Liguei pra casa dela e a mãe dela me passou o número.

* Quando minha cunhada atendeu o telefone, o que foi que ela me disse? Que o Fer tinha deixado o celular com ela. E tinha ido para casa com um amigo. Que ótimo. Ele ia ficar esperando a gente lá na frente de casa, SEM CELULAR. Combinamos que a Gi tentaria achar o celular do amigo do Fernando. Enquanto isso, eu e a mãe esperaríamos no carro.

* Pra piorar a situação, essa foi uma das únicas vezes que eu saí sem a carteira de motorista. Enquanto eu esperava o Fer chegar com o amigo dele, vi uma viatura da polícia subindo a rua com as luzes acesas. Imagina se eles param pra ver o que aconteceu, me pegam a) sem gasolina, b) sem carteira e c) COM PERMISSÃO PROVISÓRIA E PROTOCOLO DE CARTEIRA DEFINITIVA RECÉM ENCAMINHADO.....

Quase ajoelhei e me converti quando vi a polícia virando a rua na quadra debaixo.

O Fer demorou uns dez minutos pra chegar. Eu e a mãe preferimos deixar o carro lá e voltar a pé, afinal não estávamos tão longe de casa. Ele buscou gasolina e resolveu o problema, mas...

...PUTA QUE PARIU!!!! Depois dessa, ou eu aprendo, ou eu aprendo!

ATUALIZAÇÃO: Por que eu fui sair de casa essa segunda-feira? Por quê? De meio-dia, fui abrir a porta do carro e estava com pressa para escapar da chuva e proteger meu cabelo. E o que aconteceu? O que? A porta veio DIRETO na minha cara, logo abaixo do meu olho direito. Só fui saber quem eu era e onde eu estava uns dois minutos depois.

Acha pouco? Ficar com gelo na cara das 13:30 até as 15:30 e dando aula? Tudo bem, então só pra constar, o NARIZ ESCORRENDO O TEMPO TODO!

Eu joguei pedra na cruz, né!

6 comentários:

André disse...

Nota mental... "Pegar um Taxi quando sair com a Luh!"

Shogun disse...

A nota mental acima será anotada por mim caso um dia precise.

Suave Veneno disse...

kkkkkkkk Lu, quando você for dar carona avisa pra pessoa que a Lei de Munphy pega pesado com você. Ah, e lembra também de levar um dinheirinho pro taxi ou pro busão ! kkkkkkkkkkk
Beijos

Bonitas e bacanas disse...

Hahaha, Lu, que dia de caos.
Eu rio, do jeito que vc conta, mas sei que foi um inferno.
tem dias que são insuportáveis. Tive um desses e até ia postar no blog, mas deu preguiça. Dá tudo errado o dia todo, né? Inacreditável. Tenho vontade de bater em qualquer pessoa que aparecer na frente. Dá uma descontrolada, né?

Agora o rosto fiquei com dó mesmo. Deve ter doído pra caramba!
Bjs

Vanessa disse...

Essa lady tem um faro!

Emerson disse...

puuuuutz
acho q além da pedra na cruz vc deve ter picado salsinha nas pedras dos 10 mandamentos.

Vá se benzer!

PS: essas coisas ñ acontecerão qdo vc morar em Curitiba