Gostou de algum texto? Quer copiar o texto inteiro ou parte dele? Clique e saiba como fazer!

Licença Creative Commons
A obra Vagabond of the Western World de Luciana Alves Bonfim foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em dontfearthereaper1981.blogspot.com.

Desejados!!!

sábado, 21 de novembro de 2009

Mulheres que amam criminosos sexuais: CHO-KAY!

Segue trechos do artigo publicado no site da revista Época. Não tenho nem como expressar minha surpresa, indignação, desgosto, incompreensão frente a uma coisa dessas. Não posso nem dizer "tem louco pra tudo" porque a própria pesquisa aponta que elas não tem problemas mentais.

Leia você mesmo, tire suas próprias conclusões...

Mulheres que amam criminosos sexuais
por Laura Lopes em http://www.revistaepoca.globo.com/ - Sociedade
(grifos meus)

O jornalista e roteirista Gilmar Rodrigues pulou da cadeira quando soube que o Maníaco do Parque, apelido dado a Francisco de Assis Pereira, acusado de 10 mortes e 11 ataques sexuais, era um dos campeões de recebimento de cartas amorosas no presídio em que cumpre os primeiros dos 274 anos de prisão aos quais foi condenado. Como um assassino de mulheres e estuprador conseguiu atrair a atenção e o amor de outras mulheres? Rodrigues pensava ser impossível, mas descobriu que não é. No primeiro mês, Pereira recebeu mais de mil cartas, muitas de mulheres apaixonadas, dizendo que a realidade era diferente e tantas outras argumentações a favor do criminoso. "Essas mulheres correm o risco de se tornarem vítimas desses criminosos", diz o jornalista.


Assustado, Rodrigues resolveu escrever um livro sobre essas mulheres "loucas de amor". Loucas de Amor - mulheres que amam serial-killers e criminosos sexuais, da editora Ideias a Granel e lançado na terça (17) em São Paulo, conta vários casos como o de Pereira, de várias mulheres iludidas e até transcrições de cartas. Segundo o autor, "entre mulheres que se relacionam com criminosos sexuais dos mais diversos tipos, há muitas pobres e nem um pouco atraentes. Mas existem universitárias, mulheres de classe média, mulheres bonitas e, com exceção de uma, sem problemas mentais aparentes". Depois de estudar a fundo a personalidade delas, o jornalista afirma que não se pode desclassificá-las, tratando-as como loucas ou degeneradas sexuais.

Na maioria da vezes, são mulheres que nunca tiveram bons relacionamentos afetivos, sofreram abandono na infância ou abuso sexual, nem sempre foram tratadas com amor e carinho pelos pais. Elas têm baixa autoestima, algumas com visão romântica e infantilizada do amor. Outras veem isso como desafio à sociedade ou, como nunca tiveram atenção, ligam-se com homens que também não tiveram. "É uma simbiose de marginalizados. Ela vê o criminoso sexual como um igual", afirma o escritor.


A pesquisa durou quatro anos. Nesse tempo, Rodrigues entrevistou cerca de 80 pessoas, entre presos, visitantes dos detentos, mulheres que se correspondiam com homens condenados por crime sexual, advogados, agentes penitenciários, promotores, jornalistas, juízes, delegados e psiquiatras. De acordo com ele, "na penitenciária de Itaí, no interior paulista, onde estão confinados apenas homens condenados por crime sexual, há mulheres, até casadas, que escrevem para os presos, ansiosas por um relacionamento amoroso", diz.

Alguém se lembra do Bandido da Luz Vermelha (ou João Acácio Pereira da Costa)? Conceição Costa escreve cartas para ele até hoje e mantém seu túmulo limpo, arrumando-o toda semana. "Uma vez por ano, no feriado de finados, coloca flores, frutas e deixa uma carta e mensagens bíblicas escritas em bilhetinhos no jazigo dele", escreve o autor. Ela nutre uma paixão platônica desde que o criminoso era jovem e morava em Joinville, em Santa Catarina. Eles jamais se envolveram. Esse é o lado fantasioso e lírico. Há aquelas que se casam com os presos. Por lei, homens que cometeram crimes sexuais têm de passar por um exame psiquiátrico para receberem visitas íntimas na cadeia. Mesmo assim, sem concretizarem fisicamente o relacionamento, há mulheres que se casam com eles. Aconteceu com o Maníaco do Parque. Marisa Mendes Levy, pós-graduada em História, de família judaica e classe média alta, o viu pela primeira vez na televisão, concedendo entrevista. Ela se interessou e mandou uma camiseta com alguns dizeres. "Depois que ela havia desistido, o viu novamente na TV vestindo a camiseta. Ela escrevia de dois em dois dias para ele, cartas enormes", afirma Rodrigues.


Continuam casados até hoje? Não. Ela começou a perceber comportamentos violentos, atitudes estranhas e mudanças bruscas no comportamento dele. Muitas dessas mulheres que se casam separam depois. Em algum lugar de suas mentes fantasiosas e românticas existe algo que as diz para não seguirem em frente, que as alerta sobre o caminho perigoso que pretendem trilhar. Rodrigues escreve: "Durante todo o trabalho, busquei uma razão capaz de explicar o fenômeno, explicar essa atração feminina. Em vez de encontrar duas ou três respostas diretas, elas se multiplicaram em cada caso, cada vida. Em mim sobrou uma profunda tristeza. Um retrato perturbador da solidão e da miséria humana".

.....................
 
E eu pergunto... G-zuis! Quem, em sã consciência, consegue deixar passar o fato de que um criminoso sexual infligiu dor, tortura, sofrimento, angústia á uma vítima indefesa? Quem, em sã consciência, admite um comportamento desses? Quem, em sã consciência, tem dó de um criminoso desses, ou então acha bonito uma coisa dessas?
 
Meldels, tem coisas nessa vida que eu ainda não entendo.

Um comentário:

Shogun disse...

Eu já tinha lido matérias do genero, eu sinceramente nunca soube o que dizer o que pensar.

Iria acabar caíndo o lugar comum de chama-las de loucas ou de masoquistas.