Gostou de algum texto? Quer copiar o texto inteiro ou parte dele? Clique e saiba como fazer!

Licença Creative Commons
A obra Vagabond of the Western World de Luciana Alves Bonfim foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em dontfearthereaper1981.blogspot.com.

Desejados!!!

sábado, 18 de dezembro de 2010

To tattoo or not to tattoo - that's NOT the question.

WARNING: este post contém linguagem explícita. Então, se você for fresco e não aguentar ver as porras dos palavrões, do yourself a favor e pare por aqui mesmo.

Bom, primeiramente é o seguinte... alguém me interna porque eu tô aqui ouvindo Bonnie Tyler (Total Eclipse of the Heart). Eu sei, não poderia ser pior né? Aí é que você se engana = EU TÔ CANTANDO JUNTO ESSA PORRA!

Sá por que que "tatuar ou não tatuar" NÃO é a questão? Ou porque pelo menos não deveria ser? Simplesmente pela máxima anônima do "Ninguém tem porcaria nenhuma a ver com a minha vida". Sinceramente, as pessoas deveriam se permitir um pouco mais de mente aberta quando o assunto é tatuagem (e outras coisas também, mas o post é sobre tattoo - e esse parênteses foi desnecessário, néam?). E, francamente (acho phyno usar a palavra francamente, ó), tem coisa mais importante pra se preocupar.

Já vi tanto mané falar mal de pessoas que tem tatuagem que até perdi as contas. Uma coisa é você se preocupar com alguém que vai fazer uma tatuagem porque, né... mesmo que a gente não queira, o  mercado de trabalho é um filhodaputa que sempre vai assombrar quem gosta de tattoo. Outra coisa é ser um hipócrita do caralho e sair por aí falando que as pessoas que se tatuam são isso, isso e aquilo. Hipocrisia com H maiúsculo.

Conheço uma pá de gente "respeitável" que tem tatuagem. Umas nem tão visíveis (tá, isso vai gerar piadinhas, mas ajudaria se eu dissesse que a tatuagem é visível quando a pessoa vai à piscina, por exemplo?) e outras devidamente escondidas por mangas de camisa. Só depois de muito tempo a pessoa consegue notar. Aonde quero chegar? Quero chegar no ponto em que eu fico putadacara com a hipocrisia das pessoas que insistem em estigmatizar tatuados (ok, eu sei... como se "tatuagem" não fosse um "estigma" - licença poética, tá?). Os mesmos hipócritas que enchem a boca pra falar de tatuados - e já que falam de tatuados, falam de todas as pessoas que diferem do seu padrão de "normalidade" - nem fazem idéia de quem tem ou não tem uma tatuagem. É! Sei de gerente de vendas, agrônomo, vendedor de seguros, professoras que são tatuados e que poderiam estar robânu, matânu, certo? Mas são como QUALQUER outra pessoa, com defeitos e qualidades.

Vai falar mal de ladrão, de político sem-vergonha, de polícia corrupta, caralho! Vai falar mal de quem realmente faz mal pra sociedade - aham, SOCIEDADE. O que? Fuck the system? Ah tá, então vai morar em uma caverna dentro da floresta, porque a sua casa, com o seu computador e a sua internet fazem parte da sociedade - mals aê (ui, como eu tô #revolts, quase quase vou ali vestir uma calça roxa e uma blusa laranja).

Quando eu fizer uma tattoo, pouquíssimas pessoas saberão (= vou mostrar pra pouquíssimas pessoas) por causa da babaquice/ignorância/hipocrisia de algumas pessoas. Não digo que não virei aqui no blog e postarei sobre a tattoo, sobre como foi fazê-la e o motivo de fazê-la. Tatuagem tem que ser uma coisa que faça sentido, que tenha um significado. Eu acho besta tatuar um estrela por tatuar, mas se a porra da estrela fizer algum sentido pra pessoa que tatuou uma estrela, ótimo. A estrela foi só um exemplo. Poderia ser uma borboleta, uma cruz, o paudeóculos. Contanto que tenha sentido, tá valendo, porque aquilo vai ficar no seu corpo pra sempre... foréva and éva. E tem a questão da dor também, que eu acho que também tem seu significado - um ritual de passagem (oi, profe Rita Félix?!).

Então, como eu escrevi uma porcaria de post hoje, sem coesão e coerência (oi, profe Rita Bottega?!) - tô com saudade da facul?! Não, magiiiiiiiiiiina - acabo este post com esse trecho de O Símbolo Perdido (Dan Brown) que eu gostei tanto:


Clique na imagem pra aumentar

Só pra constar: terminei esse post ouvindo "Dançando lambada" do KAOMA... justificaria se eu dissesse que gravei um CD pra amanhã, dia em que a galera da facul vem pra passar o fim de semana, e que nesse CD, além das pastas Rock'n'roll e Tuts Tuts, tem a pasta Fim de carreira, e que a música do KAOMA se encontra nesta última pasta, e que esta última pasta é SÓ PRA DAR UMAS RISADAS? Não respondam.

PS - 140 caracteres o caralho!

.

3 comentários:

M.V "Shogun" disse...

Não entendi a parte do vestir uma calça roxa e uma blusa laranja...

#fail

.:.A Luciana.:. disse...

Ah, Saga... nem tá por dentro de quanto essa galera consegue ser #revolts! kkkk #putafaltadesacanagem kkkkkk

marihalves@hotmail.com disse...

To dentro do grupo das tatuagens de ESTRELINHAS, e confesso que ela passou a ter um significado. Isso não justifica eu ter que ficar explicando se ela tem ou não tem um significado. Mas, uma BOA ariana, pensa, pensa de novo e acaba fazendo como se não tivesse pensado! Enfim..."Sijoooooga" Quando vc olhar pra ela, tendo ou não significado, fez (e fará) parte da sua vida e faz ao menos vc lembrar de "quais eram as suas escolhas, uma dia" ;))