Gostou de algum texto? Quer copiar o texto inteiro ou parte dele? Clique e saiba como fazer!

Licença Creative Commons
A obra Vagabond of the Western World de Luciana Alves Bonfim foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em dontfearthereaper1981.blogspot.com.

Desejados!!!

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

A Maria Fernanda...

A Maria Fernanda é uma menina linda. Loirinha, com cachinhos lindos, olhos super azuis. A primeira vez que eu a vi, foi no velório do meu pai, ela era quase um bebê ainda. O pai dela é o gaiteiro da banda onde o meu irmão toca guitarra e os dois ficaram muito amigos. Tão amigos que hoje o Fer e a Gi são padrinhos Carlos Eduardo, o filho mais novo do Pastre, o gaiteiro.

Eles sempre vieram aqui em casa e a Maria Fernanda sempre foi quietinha. Eu sempre dava minhas bonecas antigas pra ela brincar, ela brincava quietinha no cantinho... até que foi conversando comigo aqui, perguntando uma coisinha ali... e hoje somos melhores amigas. Dizem que ela chega aqui em casa e já pergunta onde eu tô, quando eu vou chegar, e se eu vou demorar muito mais pra chegar. Uma linda.

Uma das coisas que ela sabe que pode fazer aqui em casa é desenhar, e hoje não foi diferente. Primeiro, ela me desenhou com as minhas cores favoritas("Lu, qual é a sua cor favorita?): sapatos vermelhos de bolinha, vestido preto de bolinha branca ("Lu, mas não sai a cor do lápis branco!" "Então você desenha o contorno das bolinhas com  o lápis preto e pinta fora das bolinhas..." "Ahhhh tá, entendi!"), cabelo vermelho, é claro, e uma bolsa roxa. Roxa escura, porque eu gosto mais de roxo escuro.

Depois, ela veio com um desenho de um foguete. Eu nunca vi uma menina de seis anos de idade desenhar um foguete. Achei lindo. Achei criativo. Perguntei onde é que aquele foguete ia parar... ela ficou sem saber o que responder. Eu perguntei para onde é que os foguetes iam e ela respondeu "pro céu". Então eu disse pra ela desenhar o foguete chegando num planeta. Ela voltou com um foguete chegando na lua. Eu continuei perguntando: o que é que você acha que o foguete vai achar na lua? Ela: "Na lua tem alienígena?" E eu: "Na sua imaginação tem alienígena na lua?" E ela não soube responder, então eu disse que se na imaginação dela podia ter alienígena na lua, então tinha. Ela voltou com o foguete e um alienígena verde na lua. Não resisti e abracei a Maria porque néam..... quis lindo. Aí eu perguntei o que foi que a pessoa dentro do foguete fez quando chegou na lua e viu o alienígena. Ela voltou com um desenho dela junto com o alienígena na lua, dizendo que as duas estavam brincando. Porfavor, gente, era UMA alienígena.

Até aquele momento, ela estava indo e voltando com desenhos fazia uma hora e meia. E eu na frente do computador, só fazendo as perguntas. Resolvi me levantar e gastar dez minutinhos só com ela: peguei uma caneta e falei "Agora vamos fazer um livro com a sua estória". PENSA NUNS OLHINHOS QUE BRILHARAM! Ela foi contando a estória, eu fui escrevendo, do jeitinho que ela contou. Corrigia alguma coisinha do tipo "eu brinquei com ela e foram felizes para sempre" para "fomos felizes", sempre com ela dando palpite. Fiz uma capa com o nome do livro, autora e desenhista. Ela ficou se achando o máximo. Aí, demos pro Fer ler a estória. Ele parou um minutinho, leu em voz alta e elogiou a Maria Fernanda pela estória e pelos desenhos.

Ela AMOU escrever a estória. Eu gastei dez, talvez cinco minutinhos escrevendo a estorinha, fazendo a capa e grampeando. Outros cinco minutinhos parando pra olhar e fazer perguntas sobre os desenhos. Meu irmão parou durante um minuto pra ler e ver os desenhos. E a gente fez uma criança super feliz em.. o que... dez, quinze minutos das nossas vidas?

Dar atenção pra uma criança não significa encher de presentes, dar tudo o que ela quer ou ficar o tempo todo com ela. É tão simples parar pra ouvir, pra estimular, pra motivar... é tão simples e alguns pais (não os da Maria) são tão estúpidos que criam monstrinhos psicóticos em casa ao invés de filhos.

A estória:
 "A viagem da Maria Fernanda para a Lua"


"Era uma vez um foguete que estava saindo da Terra e indo para o céu."

"E ele estava quase chegando na lua."

"E, de repente, ele chegou. E ele viu "uma" alienígena."

"E quando o foguete chegou na lua, eu brinquei com a alienígena e vivemos felizes para sempre na lua."


E, véi... se a Maria Fernanda diz que tem alienígenas verdes na lua, ENTÃO TEM. PONTO FINAL. APENAS.

♥ AMO MUITO OU BASTANTE? ♥

2 comentários:

Mariana disse...

HAHAHAHAHAHAHA que liiiiinda, que fofa!!!!!
Você iria adorar as histórias malucas que a Ester (minha sobrinha) inventa, "conta".
Segundo ela, vai ser professora (igual a família inteira) e ensina todas as vogais pros "alunos" no quadro de giz, com 3 anos de idade.
É terrível, mas eu a amo. hahahaha
;**

amanda. disse...

AI GENTE QUASE CHORE AQUI?
e tem gente que ainda diz que nao gosta de crianças nao quer ter filhos mimimim

afffff
tao ai perdendo essas preciosidades!