Gostou de algum texto? Quer copiar o texto inteiro ou parte dele? Clique e saiba como fazer!

Licença Creative Commons
A obra Vagabond of the Western World de Luciana Alves Bonfim foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em dontfearthereaper1981.blogspot.com.

Desejados!!!

sábado, 21 de abril de 2012

Do-it-yourself: stêncil para o CA de Letras

Semana passada estive no Arte em Movimento, promovido pelo DCE da Unioeste de Toledo. Entre várias oficinas, escolhi a de stêncil (molde vazado) porque ultimamente eu estava numa pira de procurar moldes pra adesivos de parede feitos de papel contact e acabei conhecendo a ARTE do stêncil... siapaixonei por aquela coisa meio imperfeita, meio grafitti, meio arte de rua, com tantas possibilidades. Quem deu a oficina foi a Clarissa, que ensinou a gente a usar aquelas chapas antigas de raio-x, que a gente pode conseguir gratuitamente nos hospitais. Aí, é só lavar em água sanitária pra tirar a parte preta do raio-x, imprimir o molde que você quiser, colocar embaixo da chapa (que é transparente) e fazer o risco com canetinha, pra depois passar o estilete - ou pode já riscar com o estilete. 

Uma das coisas que eu mais gostei foi que ela historicizou o uso de stêncil: ele foi muito usado em vários contextos totalitários pra escapar da fiscalização e conseguir fazer propaganda ou oposição a governos. Várias razões colaboraram pra isso: é barato, é fácil de fazer, é rápido, você pode fazer em casa, sem ninguém ficar sabendo.

Ainda pretendo encher uma parede aqui de casa com stêncil, provavelmente a parede da salinha da garagem... tenho planos pra ela, mas como todo filho de 30 anos de idade que ainda mora com a mãe, precisa da permissão dela pra isso, EITAPORRA!

A Clarissa comentou que o papelão estraga fácil, mas como as eleições pro CA de Letras estão aí e não tive tempo de correr atrás de chapas de raio-x, tomei umas precauções pra "impermeabilizar" o papelão com parafina (vela, né gente, porque nóis é pobre). O processo:

Eu mesma fiz o risco, cuidei das "pontes" pras voltinhas do L e do A ficarem legais. Depois, foi só cortar com o estilete super afiado (cuidado, gente, que tem horas que escapa e dá um desespero....). Aí, peguei um pacote de velas, esfarelei dentro de uma forma de bolo antiga da minha mãe, pus em cima do fogão e acendi as bocas do fogão pra derreter e coloquei os moldes. Tem que cuidar um pouquinho pra não se queimar, usei um prendedor de roupa como "pinça". Pra secar, foi rapidinho *_*


Aqui eu ainda não tinha passado o papelão na parafina da vela.

Ainda quero fazer o do Marvin, do Edgar Allan Poe, e referências ao Harry Potter... vish, haja paredes!


Nenhum comentário: